21/03/2011

Folhear cadernos velhos, ler textos que escrevemos na adolescência e recordar a convicção da qualidade dos mesmos, tem tanto de estranho como de divertido. Descobrir desejos e expectativas sobre várias temáticas em relação às quais, hoje, sinto-me profundamente indiferente e cada vez mais distante.
Leio com sofreguidão os rascunhos encriptados, as estrofes, a prosa minimalista, as pseudo-depressões expressas em notas escritas nos cantos das folhas, o drama, o autismo, o frémito constante que é ser-se adolescente. Revivo a excentricidade da juventude, a ânsia de querer ser diferente, de querer ser absoluta e de querer ser chama. Leio-me e recordo uma auto-estima que mais parecia uma montanha-russa - há memórias que são perenes - a solidão das incertezas, o fardo da desilusão numa idade cheia de sonhos... E algures, no meio disto tudo, a lembrança viva, de que um dia, tive dezoito anos e quis ser tudo.

4 comentários:

Bernardo_Gois disse...

Podes não ser tudo mas és Grande.

Blueminerva disse...

Errrr.... 1.59cm.

pinguim disse...

Mas toda a gente, aos 18 anos, quer ser tudo...

lampâda mervelha disse...

E o que resta de "nós".

 
Designed by Lena Header image by Vladstudio